Este blog é dedicado a todos os amantes da Natureza e ao público em geral. Mas principalmente aqueles que se interessam pelo fascinante mundo dos Lepidópteros (Borboletas). Além de tudo, este blog é um guia onde o leitor poderá conhecer e identificar as mais variadas espécies de borboletas existentes um pouco por todo o mundo.

domingo, 27 de setembro de 2015

MUDANÇAS CLIMÁTICAS AMEAÇAM BORBOLETAS BRITÂNICAS



. Os esforços para travar as mudanças climáticas juntamente com medidas adoptadas localmente no interior da Grã-Bretanha, são as únicas possibilidades que podem salvar certas espécies de borboletas que, caso contrário, desaparecerão nas próximas décadas, afirma um estudo publicado na revista "Nature Climate Change".
Segundo o artigo, " a extinção das borboletas sensíveis á seca poderá ocorrer antes de 2050. Se a emissão de gases do efeito estufa continuar da forma actual, as hipóteses de que certas espécies nativas das ilhas britânicas sobrevivam, são nulas" concluiu o estudo.
Proteger as áreas selvagens e principalmente evitar a fragmentação dos seus habitats naturais, dará ás borboletas a possibilidade de sobreviver. Essas medidas, combinadas com a limitação de 2º C do aquecimento do planeta, aumentará as probabilidades de sobrevivência a 50%, disseram os pesquisadores.
A meta dos dois graus em relação á temperatura na era pré-industrial foi adoptado pelos 195 membros da ONU que vão negociar no fim do ano em Paris, um novo pacto global para salvar o planeta. Em nenhum lugar do mundo as borboletas foram tão estudadas como na Grã-Bretanha como no último século.
Um grupo de cientistas liderado por Tom Oliver, do Centro de Ecologia e Hidrologia de Oxfordshire, examinou dados colectados em 129 lugares para observar como 28 espécies respondiam ás severas secas de 1995. Os pesquisadores suspeitam que secas ocasionais e isoladas foram tão devastadoras para algumas espécies quanto o aumento gradual da temperatura global. Enquanto a seca de 1995 foi a pior já registada, episódios semelhantes tornar-se-ão mais frequentes na medida em que avançam essas mudanças.
Mais de um quinto das espécies, segundo o estudo, perdeu grande parte da população durante esse período. Foi descoberta uma ligação directa, quanto mais fragmentado estiver o habitat, mais tempo demoram as espécies a recuperar. "Os ecologistas reconhecem cada vez mais a importância de reduzir a fragmentação dos habitas naturais, em vez de se contentar em administrar "ilhas" protegidas no meio de ambientes hostis de intensa agricultura", disse Oliver.



A borboleta Aphantopus hyperantus, é uma das que corre o risco de desaparecer.




Conhecida vulgarmente como "borboleta malhadinha", a Pararge aegeria também corre risco de extinção.




A Ochlodes sylvanus é outra das espécies ameaçadas.



. Importância na biodiversidade


. As borboletas de outros países com alto grau de industrialização agrícola que também sofrem com as mudanças climáticas, estão igualmente em perigo. As conclusões do estudo vão além da beleza destes insectos e do seu valor em termos de biodiversidade. São muitas vezes utilizadas como um indicador do destino de outros insectos. Se as secas agravadas pelas mudanças climáticas tiverem um impacto semelhante em espécies como abelhas, libélulas e besouros, uma parte importante da nossa biodiversidade poderá desaparecer.


" Muitas dessas espécies oferecem funções essenciais para a vida humana, como a polinização, eliminação de pragas e decomposição de resíduos".







domingo, 20 de setembro de 2015

MORPHO PELEIDES - (Kollar, 1850)



. Características: Sendo uma das maiores e mais belas borboletas do mundo, esta borboleta diurna pertence á família dos Ninfalídeos (Nymphalidae). É conhecida pela sua coloração azul iridescente metalizada na face superior das suas asas, onde as suas margens são bordejadas de negro, com cinco ou seis pequenas manchas brancas no ápice das asas anteriores e que se estendem para baixo. A face inferior por outro lado, possui um padrão acastanhado, com linhas brancas e ocelos concêntricos, que servem de camuflagem. A fêmea é ligeiramente maior que o macho e a margem negra das asas são maiores, sendo o macho mais pequeno mas com um azul mais brilhante. A sua envergadura varia entre os 12,5 cm e os 20 cm de comprimento.



. Habitat: Habita em áreas abertas tais como, clareiras e orlas de florestas tropicais, caminhos, trilhos e rios, indo até aos 1800 metros de altitude. Desde a América Central, passando pelo México e América do Sul até ao Paraguai.


. Período de voo: Voa durante quase todo o ano. Os machos são mais activos durante o meio da manhã até ao início da tarde, onde voam pelos corredores das florestas e margens de rios em buscas das fêmeas para acasalar. Estas por sua vez, encontram-se escondidas entre a folhagem da vegetação, ou na copa das árvores apanhar banhos de sol.












. Alimentação: As lagartas como todas as outras, passam por várias mudas de pele antes de se transformarem em crisálidas. Neste caso, e enquanto jovens, possuem uma cabeça extremamente desenvolvida em relação aocorpo, de onde saem vários tufos de pelo de cor castanho-avermelhado, sendo o corpo verde-amarelado vivo com manchas e riscas castanho-avermelhadas. Á medida que vão crescendo, vão mudando de cor, tornando-se por fim acastanhadas. Alimentam-se de várias plantas entre as quais; Paragonia pyramidata, Erythrina glauca, Erythrina micropteryx, Machaerium salvadorensis, Dalbergia, Lonchocarpus, Macharium, Mucuna, Platymiscium, Pterocarpus e Swartzia. São ocasionalmente canibais quando o alimento é escasso, atacando as suas irmãs se estas se atravessam no seu caminho. Quando estão prontas para pupar, estas prendem-se á planta hospedeira de cabeça para baixo, para aí se transformarem em crisálidas, que se assemelham bastante a bagos verdes.







. Observação importante: É uma borboleta que ao contrário da maioria não se alimenta do pólen das flores, mas sim de fruta madura e em decomposição, fluidos de animais em decomposição, seiva das árvores e sais minerais em solos húmidos. O iridescente metalizado das suas asas é causado pela difracção da luz em milhões de escamas das suas asas, provocando assim este efeito óptico.
É uma espécie que se encontra ameaçada. Tanto pelo desflorestamento das florestas e fragmentação do seu habitat, como pela ação do homem directa, pela captura e venda ilegal destas maravilhosas jóias da natureza.  



video


video





domingo, 13 de setembro de 2015

ENDROMIS VERSICOLORA - (Linnaeus, 1758)



. Características: De aspecto inconfundível, esta borboleta nocturna pertence á família Endromidae. Possui um padrão variegado, com tons castanho-ocre, branco e preto, distinguindo-se também por apresentar três pequenas manchas brancas triangulares, perto do ápice das asas anteriores. Os machos são mais pequenos e mais escuros que as fêmeas, possuindo uma coloração castanho-ocre nas asas posteriores, e antenas pectinadas. As fêmeas por sua vez são maiores e mais pálidas. A sua envergadura varia entre os 5,5 cm e os 7,5 cm de comprimento.



. Habitat: Pode ser encontrada em orlas de florestas abundantes em bétulas e regiões pantanosas. Na montanha pode ir até aos 1500 metros de altitude. Em toda a Europa.


. Período de voo: Voa desde Março a Maio, numa geração. Os machos são activos de dia, enquanto as fêmeas voam durante o crepúsculo.











. Alimentação: As lagartas são gregárias e negras no início do seu ciclo de vida, tornando-se verdes ao longo do seu crescimento, com várias linhas oblíquas de cor branca ao longo do corpo, onde são mais acentuadas no último segmento lateral e junto á cabeça. O penúltimo segmento do corpo exibe uma protuberância mais saliente. Alimentam-se principalmente das folhas de bétulas. Na fase da metamorfose descem até ao solo onde constroem um casulo de seda juntamente com os grãos de areia. A crisálida hiberna.







. Observação importante: A crisálida pode permanecer no solo a hibernar entre um a três Invernos.




video





domingo, 6 de setembro de 2015

SPILOSOMA LUTEUM - (Hufnagel, 1766)


. Características: É uma borboleta nocturna e pertence á família Erebidae. As suas asas são de cor branco-amarelado ou bege, com uma série de pintas negras, por vezes na diagonal, na face superior das asas anteriores e que se destacam no fundo claro. As asas posteriores são esbranquiçadas com algumas pintas negras. O abdómen tem segmentos negros e amarelos na face superior, enquanto a face inferior é branca com pintas negras. Os machos diferenciam-se das fêmeas por possuírem um tom bege mais acentuado e por terem antenas pectinadas. A sua envergadura varia entre os 3,5 cm e os 4 cm de comprimento.



. Habitat: Aparece em zonas húmidas, bem como em orlas de florestas, beiras de campos, parques e jardins. Na montanha vai até aos 1800 metros de altitude. Em toda a Europa, Ásia até ao Japão.


. Período de voo: Voa desde Maio até Julho. Em anos favoráveis pode ocorrer uma segunda geração incompleta, ficando esta a hibernar em estado de crisálida.











. Alimentação: A lagarta é muito peluda, possuindo pelos de cor castanho-ferrugem, notando-se por baixo destes uma faixa mais clara de cada lado do corpo. É polígafa e alimenta-se de vários tipos de plantas entre as quais; Dente-de-Leão, Urtigas, Plantago, Silvas, Framboesas, Sabugueiro etc. Para se transformar em crisálida constrói um casulo de seda que forra com os próprios pelos do corpo. A crisálida hiberna.








. Observação importante: O número de pintas negras nas asas anteriores pode variar de indivíduo para indivíduo. Á noite é atraída pela luz artificial. 




video