Este blog é dedicado a todos os amantes da Natureza e ao público em geral. Mas principalmente aqueles que se interessam pelo fascinante mundo dos Lepidópteros (Borboletas). Além de tudo, este blog é um guia onde o leitor poderá conhecer e identificar as mais variadas espécies de borboletas existentes um pouco por todo o mundo.

domingo, 2 de agosto de 2015

AGLIA TAU - (Linnaeus, 1758)



. Características: Também conhecida por «Imperador Tau», esta borboleta pertence á família dos Saturniídeos (Saturniidae). Existem algumas diferenças entre os dois sexos. A fêmea é sempre maior que o macho, possuindo uma coloração mais pálida, um abdómen mais volumoso e antenas filiformes. O macho por sua vez é mais pequeno, possui antenas plumosas (bipectinadas), as suas asas são de cor ocre ou castanho-alaranjado, possuindo no centro de cada uma um ocelo azul-escuro, bordejado de negro, com núcleo branco. As margens externas são mais escuras com uma estreita faixa negra paralela. A sua envergadura varia entre os 5,5 cm e os 8 cm de comprimento.



. Habitat: Aparece em florestas velhas com Faias e florestas mistas, até aos 1500 metros de altitude. Em toda a Europa, Ásia temperada estendendo-se até ao Japão.


. Período de voo: Voa de Abril a Maio, na montanha de Abril a Julho, numa geração. Além de pertencer á família dos Saturniídeos, esta borboleta é de actividade diurna. Voa com violentos movimentos em zig zag, quase sempre durante as horas ensolaradas do meio-dia. Os machos são mais rápidos do que as fêmeas, que têm um voo mais lento. Estas pousam geralmente em folhas de Faias, libertando daí o seu odor sexual (feromona), atraindo os machos para a cópula. Estes captam o seu odor com as antenas, localizam-nas e fecundam-nas.


















. Alimentação: As lagartas passam por várias mudas durante o seu crescimento, adoptando vários aspectos. Quando jovens, são verdes com várias protuberâncias ramificadas de cor acastanhada, distribuídas aos pares ao longo do dorso. Ao longo do seu crescimento vão perdendo todas estas protuberâncias até á terceira muda. Ficando verdes com minúsculos pontos brancos espalhados pelo corpo, várias riscas oblíquas e uma risca branco-amarelada na zona lateral do corpo. Alimenta-se de folhas de Faias, ocasionalmente também de Carvalhos, Vidoeiros, Abrunheiros-bravos e Macieiras. Na fase da metamorfose descem até ao solo, escondem-se debaixo das folhas caídas, para aí tecerem um frágil casulo de seda e se transformarem em crisálidas. A crisálida hiberna.












. Observação importante: Além de pertencer á família dos Saturniídeos, esta borboleta é de actividade diurna.



video





3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. É pena a borboleta não ocorrer em Portugal... Provavelmente ainda não foi descoberta! Abraço

    ResponderEliminar
  3. Pena não existir em Portugal, é simplesmente espetacular! Excelente publicação!

    ResponderEliminar