Este blog é dedicado a todos os amantes da Natureza e ao público em geral. Mas principalmente aqueles que se interessam pelo fascinante mundo dos Lepidópteros (Borboletas). Além de tudo, este blog é um guia onde o leitor poderá conhecer e identificar as mais variadas espécies de borboletas existentes um pouco por todo o mundo.

domingo, 28 de agosto de 2016

AUTOMERIS IO - (Fabricius, 1775)


Características: Esta borboleta nocturna pertence á família dos Saturnídeos (Saturniidae). É uma espécie que possui dimorfismo sexual, ou seja, á diferenças acentuadas em ambos os sexos quer no tamanho, forma ou cor. Assim o macho é amarelo, possuindo no centro das asas anteriores duas marcas acastanhadas juntamente com uma ou duas ténues linhas onduladas. Nas asas posteriores possui dois grandes ocelos em forma de olhos de cor negro-azulado com núcleo esbranquiçado, rodeados por duas linhas de cor preta e castanho-avermelhado. O macho, ao contrário da fêmea, possui ainda grandes antenas plumosas que utiliza para detetar as feromonas produzidas pelas fêmeas durante o acasalamento. A fêmea por sua vez é de tons castanho-avermelhados, mantendo o amarelo só á volta dos ocelos nas asas posteriores. A sua envergadura varia entre os 5 e os 6 cm nos machos e 8 cm de comprimento nas fêmeas.



. Habitat: Habita as florestas de folha caduca, pomares e áreas suburbanas. Distribui-se pelo Sul do Canadá, Leste dos E.U.A e México Oriental.

. Período de voo: No Norte é comum ter uma geração de Maio a Junho, no Sul pode haver até três gerações prolongando-se até Setembro.





























. Alimentação: As lagartas nos primeiros instares de vida são de cor castanho-claras revestidas por numerosos espinhos ramificados. Á medida que vão crescendo vão-se tornando verdes, com uma dupla linha longitudinal na zona lateral do corpo de cor castanho-avermelhada e branca. Como método de defesa, as lagartas quando são atacadas por predadores ou manuseadas por humanos, injetam através dos seus espinhos uma substância venenosa que provoca ardor. Alimenta-se de vários tipos de árvores e arbustos entre os quais; Acer, Betula, Carya, Celtis, Cercis, Populus, Prunus, Pyrus, Ribes, Rubus, Sassafras, Salix, Tilia, Ulmus, Wisteria etc. Na fase da metamorfose tecem um casulo de seda entre as folhas da planta hospedeira ou entre as fendas das árvores.





























Observação importante: Esta borboleta como todas as outras da família dos Sturnídeos, possui um aparelho bucal muito rudimentar e por isso não se alimenta enquanto adulta. Por esse motivo o seu tempo de vida é relativamente curto, cerca de uma ou duas semanas, tempo suficiente para se reproduzir e iniciar mais um ciclo de vida. Existem cerca de 260 espécies do género Automeris.


video







Sem comentários:

Enviar um comentário