Este blog é dedicado a todos os amantes da Natureza e ao público em geral. Mas principalmente aqueles que se interessam pelo fascinante mundo dos Lepidópteros (Borboletas). Além de tudo, este blog é um guia onde o leitor poderá conhecer e identificar as mais variadas espécies de borboletas existentes um pouco por todo o mundo.

domingo, 31 de julho de 2016

JOVEM CRIA ESPÉCIE RARA DE BORBOLETA NO SEU PRÓPRIO QUINTAL




. O biólogo marinho Tim Wong decidiu repovoar uma espécie de borboleta que estava quase extinta de uma maneira inovadora: no jardim da sua casa, em São Francisco, na Califórnia (E.U.A).
De acordo com o site "Vox", a Aristolochia californica é uma planta nativa da América do Norte, abundante na Califórnia, mas que tem se tornado cada vez mais rara nos grandes centros urbanos, principalmente em São Francisco. O processo do desaparecimento da planta fez com que a espécie da borboleta Battus philenor hirsuta também começasse a desaparecer, já que elas se alimentam e colocam os seus ovos apenas nesta planta.
Com a ameaça de extinção, Wong resolveu ajudar por conta própria a repovoar a cidade com estas belas borboletas. Ele construiu um espaço protegido por uma rede para impedir o ataque de predadores e ainda poder estudar melhor o comportamento delas. Para isso, o biólogo transplantou algumas dessas plantas e cerca de 20 borboletas desta espécie para que pudessem se reproduzir.
Segundo informações do site "Butterflies and Mothes of North America", as borboletas vivem entre duas a cinco semanas, período no qual elas voltam a se reproduzir e a colocar os seus pequenos ovos vermelhos nas folhas da Aristolochia. Dos ovos saem as lagartas, que se transforma em crisálidas, e posteriormente em borboletas. Desde então, Wong já entregou ao jardim Botânico da cidade milhares de novas borboletas.




Ovos


 Lagartas jovens


  Lagartas nos últimos instares

  Pupas

 Adultos




Fotos: (Timothy Wong)

Fonte: http://www.redetv.uol.com.br/jornalismo/mundo/jovem-cria-especie-rara-de-borboleta-em-seu-proprio-quintal





domingo, 24 de julho de 2016

PAPILIO ULYSSES - (Linnaeus, 1758)



. Características: Também conhecida por "borboleta-azul-da-montanha" esta graciosa e esbelta borboleta pertence á família dos Papilionídeos (Papilionidae). As suas asas são negras com uma grande área azul-iridescente desde a zona basal junto ao corpo estendendo-se até ao centro das asas. As asas posteriores possui margens onduladas onde terminam em duas longas caudas. A fêmea distingue-se do macho por ser castanho-escura, e pelo azul iridescente menos abrangente e mais esbatido. A face inferior é idêntica em ambos os sexos, sendo acastanhada com uma faixa na vertical mais clara desde a zona apical das asas anteriores até ás margens das asas posteriores, onde exibe vários ocelos com lúnulas de cor preto, laranja e branco. A sua envergadura varia entre os 10 e os 12 cm de comprimento, sendo a fêmea maior que o macho.


 








. Habitat: Pode ser encontrada em clareiras e orlas de florestas tropicais, bem como em jardins suburbanos, desde o Nordeste Australiano, Nova Guiné, Ilhas Molucas e Ilhas Salomão.

. Período de voo: Voa durante todo o ano em várias gerações.




















. Alimentação: A lagarta nos primeiros instares é castanho-amarelada, manchada de preto e branco, com numerosos espinhos. Á medida que vai crescendo vai perdendo os espinhos e torna-se verde com duas fileiras de pintas brancas e azuis sobre o dorso, e uma faixa também branca no quarto segmento a seguir á cabeça, e um par de espinhos brancos no último segmento do corpo. Como é comum em todos os papilionídeos, esta também possui um órgão bifurcado atrás da cabeça chamado de osmeterium, e que projeta para fora do corpo sempre que se sente ameaçada. Alimenta-se de plantas da família Lauraceae, Rutaceae, e algumas espécies de Citrus como por exemplo; Endiandra sieberi, Acronychia vestita, Flindersia bourjotiana, Geijera salicifolia, Halfordia kendack, Melicope bonwickii, Melicope elleryana, Melicope rubra, Melicope vitiflora, Citrus limon, C. paradisi, C. sinensis, Euodia bonwickii, Euodia elleryana, E. micrococca, E. vitiflora, Evodiella mueller ,etc. Na fase da metamorfose, esta tece uma cinta de seda na qual se prende a um ramo ou folha da planta hospedeira para se transformar em crisálida.














. Observação importante: No passado, já esteve ameaçada de extinção, mas com o aumento da plantação de algumas das suas árvores hospedeiras do género Euodia, o seu número tem vindo a aumentar. Além disso, o governo australiano criou uma lei específica, em que quem quiser adquirir ou criar esta espécie, tem que obter uma licença. A imagem da borboleta também é usada como emblema turístico em Queensland na Austrália.


. Selos australianos representando a espécie.



video







domingo, 17 de julho de 2016

ARGYNNIS HYPERBIUS - (Linnaues, 1763)



. Características: Vulgarmente conhecida por "fritilária-indiana" ou "fritilária-da-Índia", esta vistosa borboleta pertence á família dos Ninfalídeos (Nympalidae). Esta espécie possui dimorfismo sexual, ou seja, existem diferenças acentuadas entre macho e fêmea, quer no tamanho, cor ou padrão. Assim o macho é de cor amarelo-alaranjado, com numerosas marcas e pintas negras espalhadas por toda a área das asas. As extremidades das asas posteriores são dentadas e delineadas a negro com finas lúnulas de tons azulados. A fêmea por sua vez é maior que o macho, com a diferença da zona apical das asas anteriores que são negras-azuladas com reflexos violáceos, atravessadas por uma pequena faixa de manchas brancas. As asas posteriores são igualmente delineadas a negro com finas lúnulas azuis. A face inferior é marcada por pequenas manchas de cor verde-oliva em ambos os sexos. A sua envergadura varia entre os 6 e os 8 cm de comprimento.



Habitat: Habita as zonas húmidas e costeiras como praias, estuários, zonas pantanosas, onde as suas plantas hospedeiras se desenvolvem. Desde a Índia, Sudeste Asiático, Japão e Austrália.


. Período de voo: Voa durante quase todo o ano em várias gerações. 























Alimentação: A lagarta é de cor negra com vários espinhos pretos a partir do quarto segmento a seguir á cabeça, estes tornam-se vermelho-rosados ao longo do corpo com pontas pretas. Possui também uma larga risca longitudinal sobre o dorso de cor laranja. Alimenta-se de várias espécies de violetas entres as quais; Viola betonicifolia, Viola hederácea, V. caespitosa, V. yedoensis, V. formosana, V. nagasawai, V. philippica, V. tricolor, V. verecunda. Na fase da metamorfose a lagarta tece um ponto de seda numa folha, ramo ou pedra, fixando-se de cabeça para baixo para se transformar em crisálida.


























Observação importante: O seu número pode variar de ano para ano, dependendo da abundância das suas plantas hospedeiras. Existem cerca de 25 espécies do género Argynnis e 10 subespécies hyperbius.

video


video