Este blog é dedicado a todos os amantes da Natureza e ao público em geral. Mas principalmente aqueles que se interessam pelo fascinante mundo dos Lepidópteros (Borboletas). Além de tudo, este blog é um guia onde o leitor poderá conhecer e identificar as mais variadas espécies de borboletas existentes um pouco por todo o mundo.

domingo, 17 de janeiro de 2016

LEXIAS PARDALIS - (Moore, 1878)



. Características: Esta espécie pertence á família dos Ninfalídeos (Nymphalidae) e possui um acentuado dimorfismo sexual entre os dois sexos. Assim, o macho desta espécie possui a face superior das asas de cor negro aveludado, com uma faixa de manchas azul-esverdeada com reflexos violáceos, junto á margem externa das asas posteriores, e que se estendem até ás anteriores. Também nas asas anteriores possui pequenas pintas esbranquiçadas ou amareladas junto á margem costal. A face inferior é de cor ocre com manchas esbranquiçadas. A fêmea por sua vez , possui asas castanho-escuras, com numerosas manchas branco-amareladas, igualmente como no seu corpo. A face inferior é cinza-azulado nas asas posteriores e esverdeada nas anteriores com várias manchas brancas. A sua envergadura varia entre os 8 e os 9 cm de comprimento.



. Habitat: Habita as florestas tropicais e subtropicais do Sul e Sudeste da Ásia. Prefere caminhos, clareiras e orlas de florestas, onde é facilmente avistada em áreas ensolaradas junto ao chão da floresta. Tem por hábito pousar em locais húmidos para absorver os sais mineralizados, bem como alimentar-se de frutos em decomposição e outras matérias orgânicas aí existentes.


. Período de voo: Voa durante todo o ano em várias gerações.













. Alimentação: A lagarta nos primeiros dias de vida possui uma coloração castanho-alaranjada, com vários tubérculos e pelos de cor preta. Á medida que vai crescendo os tubérculos vão-se tornado mais claros, alongando-se e transformando-se em vários espinhos ramificados de pontas negras. Ao fim de várias mudas, e atingindo o seu crescimento máximo, os espinhos ramificados estão dispostos horizontalmente de forma simétrica e circular sobre o corpo. A sua cor passou do acastanhado para o verde, com espinhos verde-azulados de pontas amarelas, adotando assim um aspeto muito peculiar e dissimulado, camuflando-se na perfeição no meio da vegetação. Alimenta-se de Cratoxylum formosum e Cratoxylum cochinchinense. Na fase da metamorfose prende-se á planta hospedeira de cabeça para baixo através de um "gancho" de seda que tece.













. Observação importante: A sua espiritrompa é de cor vermelha. Existem cerca de 17 subespécies do género Lexias.




video




2 comentários:

  1. Parabéns Fernando pelo seu cantinho. Site bastante informativo com fundo musical agradabilíssimo. Felicidades

    ResponderEliminar
  2. Obrigado pelo comentário e pela visita!Um abraço!

    ResponderEliminar