Este blog é dedicado a todos os amantes da Natureza e ao público em geral. Mas principalmente aqueles que se interessam pelo fascinante mundo dos Lepidópteros (Borboletas). Além de tudo, este blog é um guia onde o leitor poderá conhecer e identificar as mais variadas espécies de borboletas existentes um pouco por todo o mundo.

domingo, 13 de dezembro de 2015

TROIDES HELENA - (Linnaeus, 1758)


. Características: Conhecida vulgarmente por "asa-de-pássaro comum", esta borboleta está entre as maiores e mais belas borboletas da Ásia. Pertence á família dos Papilionídeos (Papilionidae), e há pelo menos 17 subespécies deste grupo de borboletas, todas elas idênticas. As asas anteriores são negras aveludadas e alongadas, enquanto as posteriores são de um bonito amarelo-dourado com as nervuras e as margens onduladas negras. A face inferior é idêntica. O abdómen é cinza-escuro na parte superior e amarelo-vivo na zona lateral e inferior. Possui ainda uma pequena mancha vermelha na zona lateral do tórax. A fêmea por sua vez, é um pouco maior que o macho, possui uma coloração castanho-escura nas asas anteriores, tornando-se um pouco mais claras nas extremidades. As posteriores são amarelo-vivo com nervuras negras, manchas ovais e margens onduladas também negras. A face inferior é idêntica, no entanto nas asas anteriores, apresenta entre as nervuras manchas branca que também existem no macho. A sua envergadura varia entre os 13 e os 18 cm de comprimento.


. Habitat: Trata-se de uma espécie que habita as florestas tropicais do Norte da Índia, Tailândia, Malásia peninsular e Indo-China. Pode também ser vista a visitar os jardins públicos, até aos 800 a 900 metros de altitude.

. Período de voo: Durante todo o ano em várias gerações, visto ser uma espécie de clima tropical. As fêmeas quando não se estão alimentar ou na postura, passam o tempo pousadas entre a folhagem ou na copa das árvores, enquanto os machos voam em círculos sobre a copa das árvores á sua procura.














. Alimentação: As lagartas nos primeiros instares são castanho-escuras, cobertas por vários tubérculos carnudos, alguns deles de cor castanho-alaranjado. Á medida que vão crescendo, vão-se tornando mais escuras, apresentando depois uma coloração castanho-negra, com finos riscos pretos no dorso e uma pequena mancha branca que atravessa alguns tubérculos a meio do corpo. Como todos os Papilionídeos, apresenta um órgão bifurcado chamado de osmeterium, que faz sobressair logo atrás da cabeça sempre que se sinta ameaçada. Alimenta-se de Aristolochia indica, Aristolochia tagala e Bragantia wallichi. Como são plantas tóxicas, as lagartas acabam assim por se tornarem também venenosas para os seus predadores. Na fase da metamorfose, tece uma cinta de seda onde se prende á planta hospedeira.








. Observação importante: Além de ser uma das espécies mais comuns do seu género, está ameaçada pela sua captura e venda ilegal excessiva, por colecionadores sem escrúpulos, ou ainda pela destruição do seu habitat. Agora é uma espécie protegida e está listada no Apêndice II da CITES (Convenção Internacional de Espécies Ameaçadas de Fauna e Flora Selvagens).


video






Sem comentários:

Enviar um comentário