Este blog é dedicado a todos os amantes da Natureza e ao público em geral. Mas principalmente aqueles que se interessam pelo fascinante mundo dos Lepidópteros (Borboletas). Além de tudo, este blog é um guia onde o leitor poderá conhecer e identificar as mais variadas espécies de borboletas existentes um pouco por todo o mundo.

domingo, 22 de julho de 2018

DICHORRAGIA NESIMACHUS - (Doyere, 1840)


. Características: É uma espécie que pertence á família dos Ninfalídeos (Nymphalidae). A cor das suas asas é verde-escuro azulado com reflexos metálicos, pontilhadas por pequenas manchas esbranquiçadas, nas quais junto ás margens das asas anteriores possui linhas onduladas brancas. A face inferior é castanho-escura com manchas brancas nas asas anteriores. A fêmea é idêntica ao macho e ligeiramente maior que este. A sua envergadura varia entre os 6 e os 7 cm de comprimento.


. Habitat: Habita as florestas tropicais densas onde é avistada pousada na folhagem ou nos troncos das árvores a alimentar-se da sua seiva ou dos frutos maduros, sendo também atraída pelos excrementos de animais. Também é possível observá-la pousada no solo húmido ou próximo a cursos de água a sugar os sais minerais aí existentes. Distribui-se pelo Sudeste Asiático desde o leste da Índia ao Japão, sul da China, Mianmar, Tailândia, Filipinas e Indonésia.

. Período de voo: Ao longo do ano em várias gerações. Os machos são territoriais e percorrem os trilhos defendendo o seu território de possíveis adversários.













. Alimentação: A lagarta no último instar tem um formato e padrão muito peculiar, é verde-escura ou castanho-esverdeada, com uma faixa a meio do dorso de aparência triangular e pontiaguda de cor bege e finas linhas escuras oblíquas na zona lateral do corpo e uma no centro ao longo do dorso. Apresenta também sobre a cabeça dois longos e grossos apêndices de cor castanha semelhantes a dois chifres. Alimenta-se de várias espécies de plantas do género Meliosma , da família Sabiaceae. Na fase da metamorfose a lagarta tece um ponto de seda num ramo ou folha da planta hospedeira, onde se fixa de cabeça para baixo para se transformar em crisálida.











. Observação importante: Uma das características desta espécie é que possui O probóscide (aparelho bucal) de cor vermelha. Existem 12 subespécies do género Dichorragia.






domingo, 15 de julho de 2018

ARCHON APOLLINUS - (Herbst, 1798)


. Características: Também conhecida por "falso Apolo" esta borboleta pertence á família dos Papilionídeos (Papilionidade). As suas asas são branco-acinzentadas com minúsculas estrias e duas manchas negras na zona costal das asas anteriores, adquirindo um aspecto marmoreado. As posteriores apresentam uma fileira de ocelos negros com núcleo azul, contornados a laranja junto ás extremidades. Este tom de laranja pode variar na sua extensão em alguns indivíduos, principalmente nas fêmeas. A face inferior é idêntica á superior. A fêmea distingue-se do macho por ser um pouco mais escura e possuir a área de laranja mais abrangente. Á medida que a borboleta envelhece as suas asas vão perdendo escamas tornando-se transparentes e fantasmagóricas. A sua envergadura varia entre os 5 e os 6 cm de comprimento.


. Habitat: Habita lugares quentes, abertos e rochosos. Em áreas com vegetação arbustiva ou rasteira, onde existam as suas plantas hospedeiras. Distribui-se pelo Sudeste Europeu desde a Grécia, algumas ilhas do Mar Egeu, estendendo-se até á Ásia Menor desde a Turquia, Jordânia, Líbano e Israel, em altitudes até aos 1200metros.

. Período de voo: Voa do início de Março até fins de Abril, numa geração.















. Alimentação: As lagartas nos primeiros instares de vida são gregárias, vivendo em pequenos ninhos de folhas fiados com seda. Á medida que vão crescendo vão-se tornando solitárias alimentando-se abertamente na planta hospedeira. Normalmente são de cor negra com várias fileiras de pintas vermelho-vivo. Por vezes podem apresentar variações na cor com algumas pintas brancas pelo meio. Alimentam-se de plantas da família Aristolochiaceae entre as quais; Aristolochia poecilantha, A. parviflora, A. bodamae, A. hirta, A. bottae, A. auricularia, A. rotunda, A. sempervirens, A. maurorum e A. billardieri. Estas plantas possuem substâncias tóxicas das quais as lagartas são imunes, beneficiando assim da sua toxidade tornando-se intragáveis para os seus predadores. Na fase da metamorfose a lagarta desce da planta hospedeira para pupar no solo, por entre os caules das plantas ou debaixo de grãos de areia ou folhas, ao contrário de muitas outras espécies de Papilionídeos.












. Observação importante: A espécie é ameaçada por actividades agrícolas e reivindicações de terras. A intensificação da agricultura causou o desaparecimento dos alimentos em grandes áreas. Além disso, os incêndios podem destruir os frágeis fragmentos do seu habitat. Em alguns locais isolados da Europa a espécie é considerada vulnerável, estando agora protegida por lei na Grécia.