Este blog é dedicado a todos os amantes da Natureza e ao público em geral. Mas principalmente aqueles que se interessam pelo fascinante mundo dos Lepidópteros (Borboletas). Além de tudo, este blog é um guia onde o leitor poderá conhecer e identificar as mais variadas espécies de borboletas existentes um pouco por todo o mundo.

domingo, 25 de janeiro de 2015

PHOEBIS SENNAE - (Linnaeus, 1758)



. Características: Sendo uma das mais comuns da sua espécie, esta bonita borboleta pertence á família dos Pierídeos (Pieridae). É uma espécie bastante variável. A sua cor base é o amarelo, havendo no entanto diferenças entre os dois sexos. Os machos possuem a face superior das asas de um bonito amarelo-vivo, enquanto a face inferior é de cor amarelo-esverdeado, com pequenas manchas castanhas, uma marca isolada também castanha no centro das asas anteriores, e duas pintas de cor branco-prateado rodeadas de castanho nas posteriores. As fêmeas são mais pálidas, apresentando na face superior duas pintas castanhas com núcleo amarelo nas asas anteriores, e é maravilhosamente ponteada de castanho em toda a sua margem. A face inferior é idêntica á do macho, no entanto, é mais escura e possui mais manchas castanhas com as pintas branco-prateado maiores. A sua envergadura varia entre os 6 cm e os 7 cm de comprimento.



. Habitat: Habita espaços abertos como clareiras de florestas, prados, jardins, cursos de água como margens de rios e praias. Tem por hábito juntar-se em grupos na beira dos rios para sugar os saias minerais aí existentes. Distribui-se desde a América do Sul até o sul do Canadá, em particular do sudoeste de Ontário. Até aos 1500 metros de altitude.


. Período de voo: De Maio a Outubro em várias gerações. É uma espécie migratória. No Verão migra para áreas mais a Norte da sua área de hibernação no México e Sul dos E.U.A.




















. Alimentação: As lagartas podem apresentar duas colorações diferentes. Verdes com pequenos pontos negros espalhados pelo corpo, e uma faixa amarela com estrias azuis na zona lateral do corpo. Ou então amarelas com anéis esverdeados entre os segmentos do corpo e pequenos pontos negros. Esta variação de cor ocorre mediante o habitat em que se encontra, e serve de camuflagem.
Alimentam-se de plantas da família das Brassicaceae, Salicaceae e Fabaceae. Entre elas estão; Casearia sylvestris, Cassia ferruginea, Cassia fistula, Chamaecrista chamaecristoides, Chamaecrista fasciculata, Chamaecrista nictitans, Crotalaria agatiflora, Senna alata, Senna armata, Senna bicapsularis, Senna corymbosa, Senna covesii, Senna hirsuta, Senna marilandica, Senna obtusifolia, Senna occidentalis, Senna uniflora, Chamaecrista cinerea, Senna tora, Desmodium incanum, Senna atomaria, Senna cobanensis, Senna hayesiana, Senna pallida, Senna papillosa.
Na fase da metamorfose a lagarta tece uma cinta de seda que prende a um ramo da planta hospedeira, onde irá se transformar em crisálida e posteriormente em borboleta.



















. Observação importante: O adulto hiberna.




video





domingo, 18 de janeiro de 2015

BHUTANITIS LIDDERDALII - (Atkinson, 1873)



. Características: Conhecida vulgarmente por «Glória do Butão», este belo e exótico lepidóptero pertence á família dos Papilionideos (Papilionidae). Possui longas asas anteriores arredondadas, de cor preto fosco acinzentado, com várias linhas de cor branco-creme onduladas e desenhadas na vertical. As posteriores são idênticas, exibindo três ou quatro caudas alares nas suas extremidades, onde possui uma mancha vermelho escura-alaranjada, com três lúnulas negro-azuladas com o núcleo branco. O seu abdómen é igualmente listrado. Ambos os sexos são idênticos, no entanto, a fêmea possui as asas anteriores mais largas que o macho. A envergadura varia entre os 10 cm e os 11 cm de comprimento.



. Habitat: Tem por hábito passar grande parte da sua vida na copa das árvores a esvoaçar em círculos, deixando-se cair por vezes lentamente como uma folha ao vento, sempre com um voo imprevisto. Nos dias nublados ou com chuva, fica pousada na folhagem escondida, com as asas anteriores descaídas e sobrepostas sobre as posteriores, ocultando assim a zona colorida para desviar a atenção de predadores. Esta espécie é encontrada no norte da Índia, norte da Birmânia, Butão, oeste e sudoeste da China, e do norte da Tailândia. Em zonas de florestas e vales montanhosos até aos 2700 metros de altitude.


. Período de voo: Voa de Maio a Outubro em duas gerações.










. Alimentação: As lagartas alimentam-se de espécies de Aristolochia (Aristolochiaceae) incluíndo; Aristolochia griffitchii, A. kaempferii, A. mandshuriensis, A. shimadai e A. debilis.


. Nota do administrador do blog: (Devido a haver pouca documentação acerca desta espécie e por ser considerada rara, não me foi possível exibir aqui as fotos da lagarta e crisálida).









. Observação importante: Trata-se de uma espécie ameaçada. A perda de habitat devido ao abate excessivo de florestas, os incêndios florestais e a venda ilegal destes insectos para coleccionadores sem escrúpulos, fazem deste magnífico lepidóptero uma espécie em risco.

Uma curiosidade sobre esta espécie é que a borboleta exibe um odor agradável através do seu corpo e asas, permanecendo mesmo alguns dias após a sua morte.



video





domingo, 11 de janeiro de 2015

GRAELLSIA ISABELLAE - (GRAELLS, 1849)



. Características: Sendo uma das maiores e das mais belas borboletas da Europa, esta borboleta nocturna pertence á família dos Saturnídeos (Saturnidae).
As suas asas são de cor verde-claro-azulado, com largas nervuras de cor castanho-avermelhado que se prolonga ao longo de toda a sua margem. Possui também uma risca grossa de cor negra longitudinal que se extende junto á margem desde as asas anteriores ás posteriores. Além disso, exibe também um magnífico ocelo tricolor no centro de cada asa, e possui também uma cauda que se prolongo nas asas posteriores. Neste caso, o macho possui as caudas alares mais longas e antenas plumosas (pectinadas), para detectar as feromonas de atracção sexual emitidas pela fêmea, enquanto as das fêmea são simples e (filiformes). O seu corpo é robusto e peludo e a sua envergadura varia entre os 8 cm e os 10 cm de comprimento.



. Habitat: Prefere zonas ensolaradas, mas não muito secas. Vive em florestas de pinheiros, em áreas de média e alta montanha até aos 1800 metros de altitude. Nos Alpes franceses e Espanha Central.


. Período de voo: Voa desde fins de Abril até Junho, numa geração.












. Alimentação: A lagarta é verde com uma faixa tracejada de cor castanha contornada de branco na zona lateral do corpo, e outra faixa também castanha contornada de branco na zona dorsal. Apresenta ainda duas manchas amarelas e pretas nos dois segmentos juntos á cabeça, e longos e finos pêlos brancos espalhados pelo corpo.
Alimenta-se de vários espécies de pinheiro entre os quais; Pinus sylvestris, Pinus larício, Pinus uncinata. Na fase da metamorfose a lagarta constrói um casulo de seda de cor acastanhado que adere ás agulhas ou ramos do pinheiro, ou então, desce até ao solo para aí se enterrar debaixo da caruma, onde irá pupar dentro do seu casulo de seda. A pupa irá hibernar até á Primavera seguinte.







. Observação importante: O descobridor deste belo lepidóptero foi Mariano de La Paz (1808 - 1898). Botânico, médico, zoólogo e um dos fundadores da Real Academia de Ciências. Mariano Graells batizou a nova espécie como Saturnia isabelae, uma homenagem á Rainha Isabel II de Espanha. Posteriormente a espécie foi rebatizada como Graellsia isabelae, desta vez em memória do ilustre naturalista que a descobriu.

É a única espécie de Saturnídeo europeu com caudas nas asas posteriores. O seu tempo de vida é curto, uma semana em média. Pois como o seu aparelho bucal é atrofiado e não se pode alimentar em estado adulto, a sua única função é a reprodução e a continuação da espécie.
Por se tratar de uma espécie em risco, devido aos tratamentos dos pinhais com insecticidas contra a processionária do pinheiro (Thaumetopoea pityocampa), e devido também á substituição e plantação de outras espécies de árvores que estão a invadir o seu território, a Graelssia isabelae está agora protegida por lei desde 1980.



video







domingo, 4 de janeiro de 2015

GRIPOSIA APRILINA - (Linnaeus, 1758)



. Características: Outrora mais frequente, esta borboleta nocturna pertence á família dos Noctuídeos (Noctuidae). A sua coloração varia consoante o tipo de habitat, podendo ir do verde-claro ao verde-musgo-escuro, passando pelo verde-acinzentado. Apresenta também marcas e linhas transversais de cor preta e branca, que lhe dão um aspecto rico em contrastes, contribuindo assim para uma excelente camuflagem. As asas posteriores são acinzentadas com a zona interior basal um pouco mais clara, apresentando também uma linha tracejada escura em toda a sua margem externa. As patas são brancas com anéis pretos. Ambos os sexos são idênticos. Possui uma envergadura de 4,5 cm a 5 cm de comprimento.



. Habitat: Habita florestas mistas e secas, várzeas, matas, jardins e parques antigos. Em toda a Europa e Ásia menor.


. Período de voo: De fins de Agosto até Outubro, numa geração.
















. Alimentação: A lagarta possui um padrão axadrezado, de cor acastanhado e negro, com pintas brancas e uma linha tracejada longitudinal ao longo do dorso. Alimenta-se principalmente de Carvalhos (Quercus). No início quando jovens, alimentam-se dos botões e flores, passando depois para as folhas. Na fase da pupação a lagarta desce até ao solo, onde irá construir um casulo de seda entre as raízes das árvores e a vegetação do solo. Os ovos da borboleta são depositados nas fendas da casca das árvores, onde irão hibernar até á Primavera seguinte.









. Observação importante: Fica quase invisível quando pousada em superfícies que contenham líquenes. É atraída pela luz artificial.