Este blog é dedicado a todos os amantes da Natureza e ao público em geral. Mas principalmente aqueles que se interessam pelo fascinante mundo dos Lepidópteros (Borboletas). Além de tudo, este blog é um guia onde o leitor poderá conhecer e identificar as mais variadas espécies de borboletas existentes um pouco por todo o mundo.

domingo, 29 de junho de 2014

PSEUDOIPS PRASINANA - (Linnaeus, 1758)



. Características: Esta borboleta nocturna de aspecto robusto pertence á família Nolidae. As asas anteriores são de um bonito verde brilhante, com duas ou três riscas transversais, oblíquas, de cor branca. No macho as asas são marginadas de rosa-alaranjado, bem como as pernas e as antenas, dando-lhe assim um aspecto variegado. As asas posteriores são amareladas. As fêmeas são ligeiramente maiores e mais pálidas, e as suas asas posteriores são de cor branca. A sua envergadura é de 3 cm a 3,5 cm de comprimento.


. Habitat: Habita as florestas com árvores de folha caduca, com carvalhos e faias, bosques á beira rio. Em toda a Europa e Ásia.


. Período de voo: Voa desde fins de Maio até fins de Julho. Na zona Sul pode ocorrer uma segunda geração.















. Alimentação: As lagartas são verdes com uma fina linha amarela de cada lado do corpo. Alimentam-se de árvores de folha caduca, principalmente de carvalhos (Quercus), bétulas (Betula), choupos (Populus). Na fase da metamorfose constrói um casulo de seda que adere ás folhas das árvores.






. Observação importante: Como muitas outras borboletas nocturnas, esta também é atraída pela luz artificial. 







domingo, 22 de junho de 2014

LASIOCAMPA QUERCUS - (Linnaeus, 1758)


. Características: Esta espécie pertence á família Lasiocampidae. Os machos são geralmente castanho-escuros com uma faixa transversal amarela. No centro de cada asa anterior possuem duas pintas brancas marginadas de negro. As fêmeas são ligeiramente maiores e têm uma coloração mais pálida. A sua envergadura varia entre os 5,5 cm e os 7,5 cm de comprimento.




. Habitat: Florestas de carvalhos, florestas mistas, prados, regiões pantanosas, até aos 2000 metros de altitude. Em toda a Europa e Ásia.

. Período de voo: Nas regiões a Norte voa de fins de Maio a Julho, no Sul prolonga-se até Agosto numa geração.










. Alimentação: As lagartas são peludas, de cor castanha e tracejadas de branco nas partes laterais do corpo. Apresentam também entre os segmentos do corpo uma cor negra. Alimentam-se de várias plantas e árvores de folha caduca como; Bétulas (Betula), Amieiro (Alnus), Salgueiro (Salix), Cerejeira, Pessegueiro (Prunus), Silvas (Rubus), Macieira (Malus), Urze. Na fase da metamorfose constrói um casulo de seda em forma de "bolota" entre a vegetação. A lagarta hiberna.





. Observação importante: Os machos possuem antenas plumosas e voam durante o dia, enquanto as fêmeas são nocturnas e são atraídas pela luz artificial.



video






domingo, 15 de junho de 2014

METAMORFOSE EM 3D : DE CRISÁLIDA A BORBOLETA



. Pela primeira vez, cientistas produziram imagens em 3D da metamorfose de uma crisálida passando para o estado de borboleta. O processo era normalmente estudado através de dissecação, técnica em que os cientistas pegam num grupo de insectos da mesma idade e disseca individualmente, para ver as mudanças de anatomia interna em diferentes estágios de metamorfose. Esta técnica não só é destrutiva como também pode não apresentar um relato exacto de desenvolvimento do insecto.
Desta vez, os pesquisadores estudaram o fenómeno por tomografia computorizada. Esta forma de tomografia computorizada de alta resolução (micro-TC) só foi desenvolvida na década de 80, e só se tornou amplamente disponível na última década ou pouco mais, como scanners mais baratos e com poder de computação melhor.
Trata-se de um exame típico de TC que vai dar uma "fatia" 2D de um objecto 3D. Mas os cientistas podem reconstruir imagens 3D utilizando milhares de radiografias e colocando-as em conjunto com o software de computador. Um dos maiores desafios da utilização desta técnica em insectos é descobrir como não matá-los com toda a radiação necessária.
A equipa começou a realizar inicialmente scanners de meia hora na crisália ou (pupa, o está estágio intermédio entre larva e adulto) da espécie Vanessa cardui. Ao mexer com o software e com as posições dos insectos no scanner, a equipa finalmente conseguiu reduzir o tempo para 15 minutos. Eles também foram capazes de reduzir o número de radiografias necessárias para tornar as imagens 3D de alta qualidade. Para o estudo, os pesquisadores analisaram 9 espécimes de Vanessa cardui em crisálida durante um período de 16 dias. Examinaram pupas diferentes em dias diferentes, reduzindo assim ainda mais a exposição á radiação.
Todos os insectos parecem desenvolver-se normalmente, no entanto, aqueles que passaram pelo scanner nos primeiros dias da experiência, não podiam sair da sua crisálida. Eles tendem a amadurecer plenamente na crisálida, mas são muito fracos para eclodir no final. Parece que a maioria dos danos da radiação é feita logo no início, embora seja apenas uma especulação..!



. A partir das imagens 3D reconstruídas, a equipa descobriu que a ideia geral de desenvolvimento das crisálidas a que os cientistas já haviam chegado , estava correta. A técnica de tomografia computorizada que eles desenvolveram tem uma série de implicações importantes. No lado biológico das coisas, o método poderia ajudar os cientistas a entender os efeitos que os pesticidas têm sobre o desenvolvimento dos insectos (principalmente as abelhas), e descobrir como as mutações genéticas afectam a anatomia de organismos-modelo, e melhorar a entomologia forense. A técnica de digitalização rápida também pode afectar a indústria, pois pode ser utilizada para encurtar o tempo que uma empresa leva para detectar defeitos por exemplo; em partes de automóveis.

Assista aos vídeos sobre esta técnica.



video


video





domingo, 8 de junho de 2014

PHALERA BUCEPHALA - (Linnaeus, 1758)



. Características: De aspecto bastante peculiar, esta borboleta nocturna pertence á família Notodontidae. As asas anteriores são de cor castanho-acinzentadas, com alguns riscos pretos e castanhos, e uma grande mancha "lunar" amarelada no ápice de cada asa. As asas posteriores são branco-creme. Na zona da cabeça e parte do tórax apresenta um tufo de pêlos de cor amarelada que lhe dá um aspecto peculiar de "galho seco de árvore". A fêmea é ligeiramente maior que o macho. A sua envergadura varia entre os 5,5 cm e os 6,5 cm de comprimento.


. Habitat: Florestas mistas húmidas, parques, jardins, etc. Até aos 1700 metros de altitude. Em toda a Europa e Ásia.


. Período de voo: Voa de Maio a Junho numa geração.











. Alimentação: As lagartas são amarelas com linhas pretas e brancas, revestidas de finos pêlos brancos ao longo do corpo. As lagartas desta espécie são gregárias vivendo em grupos nos ramos das árvores de que se alimentam. Quando atingem um estado de maturação mais avançado, tornam-se solitárias. Alimentam-se de Salgueiro, Choupo, Carvalho, Bétula, Faia, Tília, Amieiro. Na altura da metamorfose a lagarta desce até ao solo para aí se enterrar e se transformar em crisálida. Hiberna no estado de crisálida.








. Observação importante: O seu aspecto idêntico a um "galho de árvore", dá-lhe uma camuflagem eficaz, quase imperceptível ao olhar apurado das aves insectívoras.




video



video





domingo, 1 de junho de 2014

ARCTIA FESTIVA - (Hufnagel,1766)


. Características: De aspecto robusto e pesado, esta borboleta pertence á família Erebidae. As asas anteriores possuem grandes manchas e faixas negras e brancas. As asas posteriores são vermelhas possuindo também grandes manchas negras. Estas manchas podem variar de tamanho de indivíduo para indivíduo. O macho possui antenas pectinadas. A fêmea é ligeiramente maior que o macho, e possui as manchas das asas ligeiramente maiores que este. O seu corpo é igualmente vermelho e negro. A sua envergadura varia entre os 4,5 cm a 6 cm de comprimento.


. Habitat: Habita principalmente em áreas rochosas como campos rupestres ou de terra arenosa. Na montanha vai até aos 1200 metros de altitude. É uma espécie que gosta de calor e distribui-se pelo Sul da Europa, Ásia Central e América Central.

. Período de voo: Voa de Maio a princípios de Julho, numa geração.







. Alimentação: A lagarta é muito peluda, com longos pêlos de cor branco-amarelados, tornado-se castanho-alaranjados na zona lateral do corpo. Alimenta-se de várias plantas como Achillea, Thymus, Euphorbia, Plantago, Taraxacum, Cynoglossum, Artemisia, Rumex, Cirsium, Daucus carota, Alchemilla millefoli. Na fase da metamorfose constrói um casulo de seda no solo. A lagarta hiberna. 




. Observação importante: Esta espécie pode variar de indivíduo para indivíduo no que diz respeito ao tamanho das manchas das asas. Em certos países esta espécie tornou-se rara devido á destruição do seu habitat. Quer pela construção de habitações ou pela agricultura intensiva. Na Alemanha está praticamente extinta.