Este blog é dedicado a todos os amantes da Natureza e ao público em geral. Mas principalmente aqueles que se interessam pelo fascinante mundo dos Lepidópteros (Borboletas). Além de tudo, este blog é um guia onde o leitor poderá conhecer e identificar as mais variadas espécies de borboletas existentes um pouco por todo o mundo.

domingo, 27 de outubro de 2013

SATURNIA PAVONIA - (Linnaeus, 1758)


Pequeno-pavão-noturno
 
. Características: Vulgarmente conhecida por «pequeno-pavão-noturno», a Saturnia pavónia pertence á família dos Saturnídeos (Saturnidae). É mais pequena que a Saturnia pyri, faltando-lhe as faixas negras das asas anteriores e posteriores. Neste caso os machos apresentam nas asas anteriores um colorido castanho-acinzentado enquanto as posteriores são castanho-amareladas. Apresentam igualmente grandes ocelos em ambas as asas, acompanhadas por uma linha ondulante. Os machos são mais pequenos que as fêmeas, têm o corpo menos robusto e antenas pectinadas. As fêmeas por sua vez, são maiores e de colorido acinzentado. A sua envergadura varia entre os 5cm a 5,8 cm nos machos, e 6 cm a 7,5 cm nas fêmeas.


Habitat: Em toda a Europa até á Sibéria Oriental. Em florestas de árvores de folha caduca, pântanos, clareiras e terrenos secos. Dá-se principalmente em zonas arbustivas pouco utilizadas pelo homem, onde se desenvolvem urzes, até aos 2000 metros de altitude.

. Período de voo: De Maio a Junho numa geração.






. Alimentação: As lagartas acabadas de eclodir vivem em conjunto durante algum tempo, separando-se quando se preparam para se transformarem em crisálidas. As lagartas quando crescidas são verdes com pequenas manchas pretas, das quais saem protuberâncias amarelas revestidas de longos pelos e espinhos. Alimentam-se de abrunheiros, framboesas, silvas, roseiras e árvores de folha caduca. Para se transformarem em crisálidas, constroem um casulo de seda em forma de pêra, onde a crisálida irá hibernar. A borboleta sairá daí mais tarde pela parte mais estreita.







. Observação importante: As fêmeas voam de noite, os machos voam de dia. Durante o dia as fêmeas permanecem pousadas nos ramos das árvores segregando feromonas que iram ser captadas pelas antenas pectinadas dos machos. Estes voam em direção ao odor sexual, tentando localizar as fêmeas.
Esta espécie tal como a Sturnia Pyri não possui espiritrompa, portanto a borboleta não poderá se alimentar, para isso irá recorrer ás reservas de energia acumuladas enquanto lagarta. O seu tempo de vida será curto, de poucos dias, tempo suficiente para se poderem reproduzirem.



video




segunda-feira, 21 de outubro de 2013

SATURNIA PYRI - (Denis & Schiffermuller, 1775)


Grande-pavão-noturno

. Características: A Saturnia pyri mais conhecida por "Grande-pavão-noturno", é a maior borboleta noturna da Europa, com uma envergadura de 15 cm. Na face superior de cada asa, tem um grande ocelo negro marginado por um tom mais claro. Este é semelhante a um olho verdadeiro com a pupila escura e uma zona mais clara á volta. As asas são atravessadas por uma linha ondulante e uma larga faixa escura. As margens das asas possuem uma estreita faixa de cor branco-creme. Os machos são mais pequenos que as fêmeas, com corpo delgado e antenas mais plumosas bipectinadas. As fêmeas ao contrário, possuem antenas mais finas, corpo mais volumoso e colorido menos contrastante. Em voo parecem morcegos.


. Habitat: Sendo uma espécie que gosta de calor, esta distribui-se pela Europa Meridional e Central. Em zonas de bosques e regiões com arbustos, orlas de florestas, parques, jardins e pomares.

. Período de voo: Voa de Maio a Junho numa geração.







. Alimentação: As lagartas são negras com verrugas vermelhas, mais tarde são verdes com protuberâncias de cor azul das quais saem espinhos e longos pelos. As patas são de cor castanha. Alimentam-se de árvores de folha caduca como Malus, Pirus, Prunus, Fraxinus, Populus.
Para se transformarem em crisálida tecem um casulo de seda de cor castanho em forma de pêra, no qual a crisálida irá hibernar. As borboletas eclodem em cada dois a três anos.







. Observação importante: As fêmeas na fase de reprodução, emitem feromonas que atraem os machos até a uma distância de 20 km. As borboletas desta espécie não se podem alimentar pois não possuem espiritrompa. Toda a energia que obtêm é das reservas acumuladas no seu corpo enquanto lagartas. Por isso vivem poucos dias, só com a função de se reproduzirem para a continuação da espécie.



video



domingo, 6 de outubro de 2013

THYMELICUS SYLVESTRIS - (PODA, 1761)


. Características: Este pequeno lepidóptero pertence á família dos Hesperídeos (Hesperidae), e a sua envergadura não ultrapassa os 3 cm a 3,5 cm. Esta espécie apresenta um corpo robusto, cabeça grande e grossa, asas anteriores triangulares e as asas posteriores arredondadas. São de cor castanho-amarelado, com as margens escuras e franjas claras. Os machos apresentam um traço transversal ou nervura de cor negra no centro das asas anteriores. A face inferior é de cor idêntica em ambos os sexos.



. Habitat: Encontra-se na Europa, Médio Oriente e Norte de África. Em prados húmidos e floridos até aos 2000 metros de altitude.

. Período de voo: De Junho a Agosto numa geração.






. Alimentação: As lagartas de cor verde alimentam-se de herbáceas como, (holcus lanatus, dactylis glomerato, holcus mollis, brachy podium sylvaticum, alopecorus pratensis e phleon pratense). A lagarta hiberna e quando totalmente crescida, envolve-se numa folha através de fios de seda, dentro da qual se transforma em crisálida. Este estado dura cerca de 2 semanas até o inseto adulto emergir.






. Observação importante: As borboletas desta espécie voam a pouca altura do solo, e são uma das espécies de hesperídeos mais frequentes.



video